domingo, 21 de janeiro de 2018

Taça da Liga: como o discurso do FCP muda

10 de Agosto de 2013
Data da última conquista do FC Porto, Supertaça com Paulo Fonseca.

De lá para cá, o FC Porto não ganhou mais nada. Vai para 5 anos.

Quando a Taça da Liga foi criada por Hermínio Loureiro e no pós-Apito Dourado, o FC Porto, na altura treinado por Jesualdo Ferreira, desvalorizava a prova. Dizia que não a queria jogar nem ganhar. Inclusivamente, jogavam jogadores da equipa B e dos juniores. Volvidos uns anos, com a queda da hegemonia portista e ascenção da benfiquista, o discurso mudou.

Sérgio Conceição mostra-se ambicioso e diz que é para ganhar. Efetivamente, quando a crise de título, de vitória e de currículo, aperta, o discurso muda e a sede de vitórias, idem. Mesmo a odiada Taça da Liga.

Marco Silva livre

O treinador português que o Sporting dispensou, tem feito sucesso na Premier League não obstante estar em equipas que lutam para não descer.
O interesse em Novembro do Everton no treinador, fez entornar o caldo, que somado a maus resultados, deitou no seu despedimento do Watford.
Marco Silva, por mérito próprio, tornou-se num dos treinadores mais requisitados na Europa e vai fica desempregado pouco tempo.

sábado, 20 de janeiro de 2018

Domingos Paciência e o Belenenses

A carreira de Domingos Paciência é um case study de como não deve ser a de um treinador de futebol.
A ascenção foi ascendente, como normal. Começou na equipa B do Porto, passou por Académica e conheceu o sucesso em Braga, onde levou a equipa à final da Liga Europa. A partir daí, foi insucesso atrás de insucesso, com destaque apara a passagem pelo Sporting que foi uma espécie de "macumba" para o futuro.

Esta época começou no Belenenses, talvez um dos piores clubes para treinar, onde foi despedido com 19 pontos a 5 da zona de descida. 2 meses sem ganhar e antes que seja tarde, foi despedido.
Mais um mercado e mais uma vez uma quantidade enorme de empréstimos, emprestados, contratados e rescindidos. O Belenenses parece uma SAD sem rumo. Sem um objetivo, sem estabilidade de plantel, de treinador, baseada num projeto que não se sabe bem o que se pretende. Muita politiquisse à mistura com Sporting e Benfica, mas sem identidade.

Bolha financeira nos jogadores jovens

Esta semana fomos surpreendidos pelo valor que Leipzig quer desembolsar por um jogador sub-16. Nada mais nada menos que 20 M€.
Não é o primeiro mercado que isso acontece. Já no Verão, ficamos chocados com ouras quantias astronómicas que o Sp. Braga vendeu jovens jogadores.

A surpresa decorre da idade dos jogadores em causa e se faz sentido um valor tão grande por um potencial talento ainda sem qualquer prova dada e, mais grave, ainda na adolescência.

O deslumbramento é fácil e a pressão é uma das grandes ameaças.
Faz sentido tantos milhões numa idade tão precoce?

Marega, de patinho feio a goleador

Marega deu o salto do Marítimo para o FC Porto, mas com a pressão e poucas oportunidades na sua primeira passagem pelo FC Porto de Lopetegui não correu bem.
Era comum nas redes sociais comparar os pés do jogador a tijolos ...

Foi emprestado ao Guimarães e essa foi a melhor opção. Lá ganhou experiência, maturidade, técnica e competição. Esta época de regresso ao FC Porto, tem brilhado com Sérgio Conceição. Opção recorrente, já conta com 16 golos marcados em todas as competições.

Hoje, é amplamente elogiado numa equipa de topo em Portugal, quando há dois anos era visto com mais um dispensável, em mais uma contratação dúbia ao Marítimo.

Conseguiu impôr-se no futebol português!

Aliás, penso que a política forçada do FC Porto ter de recorrer aos jogadores dispensáveis, por impedimento de contratações pelo fair play financeiro, está a dar bom resultado. O treinador ajuda, mas não é só Marega que está em bom plano. Aboubakar (esteve dispensado no Besiktas) é outro exemplo.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Que sentido faz uma jornada a uma 4ªf a 3/Jan?

Uma jornada realizar-se no Inverno, durante uma semana de trabalho, em Janeiro é incompreensível.


O que pretendem? Ter estádios vazios? O derby de Lisboa vai realizar-se à 21h30m, segundo dizem, por razões de ... segurança.

Espero que os dirigentes ponham a mão na consciência  e reflictam o que estão a fazer ao futebol!!! Está-se a chegar ao ponto de se colocar as partidas em horários tardios, afastar adeptos e famílias dos estádios devido ao clima de polémica e suspeição que eles próprios criam.

Não vale a pena vender boxes e red passes se depois os jogos são às 21h30 por razões de segurança.

Este jogo é de muita importância para o Benfica que se perder fica muito atrasado face ao Sporting. Os vermelhos vêm de uma má fase, com várias eliminações consecutivas de taças e Liga dos Campeões. A instabilidade na defesa e na têm afetado a rentabilidade da equipa. Os verdes estão mais tranquilos e ganhando ficam destacados.
O FC Porto vai ao Feirense, uma equipa fraca e têm obrigação de ganhar.
Olhando para a tabela, chama-me a atenção o Tondela estar a 6 pontos neste momento acima da zona de descida (+1J), o Boavista e Portimonense estarem tranquilos e ter havido poucos despedimentos de treinadores (apenas 5).
Destaque para o Setubal - Estoril e Aves-Moreirense para as contas da permanência.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

O que esperar de 2018? Mais polémica

O ano de 2018 mas infelizmente perspetiva-se a continuação do clima crispado no futebol.


As polémicas, os comentadores televisivos extremistas e mal criados, os emails e a suspeita sobre a arbitragem deverão prevalecer novamente sobre o espetáculo e o futebol propriamente dito.
As estrelas de 2018 continuarão a ser os diretores de comunicação e não os jogadores nem os treinadores.

É uma pena.

Do ponto de vista desportivo, o Benfica começa o ano mais pressionado depois de um mês de Dezembro negro, onde apenas luta pelo campeonato. A vida está complicada para o treinador, mas tudo vira se se reforçar bem em Janeiro e ganhar o campeonato.
O FC Porto segue em todas as competições e exige-se títulos. Com um plantel curto, espera-se que em 2018 continue condicionado pelo fair play devido a erros de gestão de anos anteriores. Até agora está a correr bem, mas ainda não ganhou nada.
Do Sporting, espera-se o mesmo que o FCP, i.e., títulos e vitórias. Não ganha nada desde que Jorge Jesus chegou, vai fazer três anos.
Dos outros clubes espera-se mais do mesmo: o Sp. Braga como quarto grande. O V. Guimarães com a irregularidade habitual e tudo o resto é paisagem. Infelizmente não deverão ir mais adeptos aos estádios nem se espera que nenhum clube extra os big5 se afirme.

Para 2018, preocupa-me a influência dos investidores estrangeiros, em clubes de pequena dimensão. O crime das suspeição da viciação de apostas e corrupção pode ser uma consequência disso mesmo. A maioria dos "investidores" têm origem desconhecida ou com nenhuma ligações a Portugal e financiam pequenos clubes, sem que se perceba as intenções e potencial rentabilidade. Em 2018, com a investigação a decorrer e com dirigentes com mais olhos que barriga poderá haver novidades.

Nas modalidades, espera-se um crescimento do futebol feminino pela entrada (para já) do Benfica e pela aposta da FPF na modalidade e pelo crescimento das modalidades. Se em 2017, o Sporting apostou no voleibol e o Braga no atletismo, em 2018 os resultados estarão à vista. Enquanto isso, o FC Porto vai-se deixando adormecer.

domingo, 31 de dezembro de 2017

Taça da Liga só com dois grandes

O modelo da Taça da Liga está desenhado para que os 3 grandes mais o quarto melhor classificado da época anterior (Braga ou Guimarães) cheguem à final-four.

Quer queiramos quer não, são esses clubes que chamam os patrocínios, justificam as audiências televisivas e levam a Taça da Liga para os media e redes sociais.

A Taça da Liga é uma espécie de patinho feio do futebol português. Por ser a mais recente, por ter sido criada pela direção da LPFP ligada ao julgamento do Apito Dourado e por não dar acesso às competições europeias tem sido pouco valorizada.

Porém, com o domínio do Benfica nas competições nacionais e ausência de qualquer conquista para os restantes, surgiu a necessidade de dar importância a esta competição. Assim, aí estão FC Porto e Sporting.
Quanto à presença de V. Setúbal e Oliveirense são os outsiders que aproveitaram momentos menos positivos de Benfica e V. Guimarães, respetivamente. Já o Sp. Braga acusou o desgaste europeu e ao abdicar de uma competição abdicou desta (pois é a menos importante apesar de ser em Braga).

sábado, 30 de dezembro de 2017

As apostas do futebol português

Os últimos dias têm sido assombrados sobre uma investigação de corrupção de jogadores do Rio Ave para a viciação de resultados.

Existe apenas uma investigação e não condenações, mas já existem 5 nomes de jogadores divulgados suspeitos, o que torna o caso ainda mais sério e surpreendente.
Esta manhã, novo rombo no futebol. O nome do Benfica, campeão nacional, foi envolvido no escândalo, no jogo de 15/16 contra o Rio Ave numa altura absolutamente critica.

Este tema é absolutamente crítico e fala de um crime que mexe com muitos milhões e credibilidade.
O facto do campeão estar envolvido neste crime é muito grave. Porém, dizendo o Benfica que não tem nada a haver com isso, haverá o risco de alguém intencionalmente envolver o nome do clube, só para o prejudicar e até denunciar.

Assim, se dá mais uma machadada no futebol português, depois dos emails.

sábado, 23 de dezembro de 2017

Dezembro negro para o Benfica

Aí vai uma, aí vão duas, aí vão três eliminações para o Benfica. Neste Dezembro negro, o Benfica foi eliminado de três competições com a agravante deter somado 6 derrotas na Liga dos Campeões em 6 jogos.

É mau demais para ser verdade.
Nas 3 competições, não esteve envolvido nenhum dos concorrentes diretos dos vermelhos. Por isso, o caso ainda assume mais gravidade.

Quais as causas para equipa hegemónica estar a ter tão baixa performance?
Duas causas:
-  Ausência de reforços no mercado
Saíram Gaitan, Mitroglou, Lindelof, Ederson e Nelson Semedo e não entrou nenhum titular indiscutível. Ou seja, a equipa não se soube renovar e foram demasiadas saídas de titulares.
Em todos os setores, os reforços, com exceção de seferovic, não jogam. Estão no banco. Rui Vitória tem tido necessidade de recorrer à equipa B.
- Excesso de confiança
As vitórias não surgem com base no histórico. Surgem do trabalho, competência e confiança. Dá a sensação que Luis Filipe Vieira confiou demasiada na hegemonia dos últimos anos como sendo garantia para o futuro.

Quanto à polémica dos emails, não creio que isso possa ter influência nos jogadores. É mais jogada de bastidores.